Google+ Endorfinando - Paixão por Esportes: Janeiro 2016

terça-feira, janeiro 26, 2016

Um Leigo de Speed/Road Bike

Já faz um tempo que venho namorando as bicicletas de estrada nas lojas mas além da questão do dólar alto também tinha alguns receios, afinal, sou ciclista urbano, logo a mountain bike da conta do recado e ainda me protege das irregularidades das ruas e avenidas de São Paulo.

Mas não tem jeito, a vida é uma só e me decidi por comprar uma Speed e assim dar uma irmã para minha MTB (sim, assim como os videogames acho que ter os dois tipos de bikes são essenciais tal qual Nintendo complementa o Playstation e vice versa).

Após pesquisar muito identifiquei que existem diversas oportunidades de bikes usadas, com ótima relação e um preço incrível mas a dificuldade reside em achar um tamanho bacana.

Até que achei um modelo zerado da Trek Series 1.2 de 2014 (muitas lojas ainda comercializam esse modelo 2014) por um preço ótimo, principal vantagem da 1.2 para a 1.1 2015 é a relação, Shimano Sora X Shimano Claris, ambos modelos de entrada mas para o que eu procuro que é justamente uma ambientação nesse meio está perfeito.


Primeira volta estranhei horrores, principalmente a troca de marchas usando o STI.
Segunda volta já peguei um pouco mais de confiança, dia seguinte volta da minha casa até a academia: 9km pegando duas grandes avenidas.

Percepções:

- A pegada da um pouco de cansaço nas mãos(testei apenas dois tipos de pegada);
- Devido ao leve peso e pneus finos obviamente é muito mais rápido alcançar velocidades padrões, de 0 a 25 e de 20 a 30 é muito mais rápido do que a MTB;
- Devido ao desconhecimento do cambio ainda não utilizei a coroa maior, logo não pude dar aquele puta sprint mas conforme relatei anteriormente é mais rápido alcançar certas velocidades mas não é tão milagroso como pensei chegar a velocidades mais altas (40 a 50);
- Curvas, a bike é mais “arisca” que a MTB então todo cuidado é pouco, na avenida bandeirantes fui fazer uma mudança de faixa e fui um pouco brusco resultando na bike fazendo uma curva deveras brusca também;
- Leve desconforto na lombar, porém ainda não fiz os ajustes do bike fit;
- O grande problema: Buracos, desníveis, devido ao garfo rígido e pneus finos o impacto é violento, portanto devemos reduzir bastante a velocidade, ainda preciso aprender alguma técnica pra ultrapassar esses obstáculos da cidade.

Resultado: Adorei, não abro mão da minha MTB mas agora posso dizer que também não abro mão da Speed, é aquele negócio, revezar ambas no meu caminho diário ao trabalho, aprender mais sobre as técnicas de Speed .


E finalmente para lazer MTB nas estradas de terra e trlhas e Speed nas estradas e asfalto.

terça-feira, janeiro 05, 2016

2015 - Primeira Volta Pífia e recuperação na Segunda Volta

2015, ano difícil para o Brasil e para meus treinos não poderia ser diferente, primeiro semestre fraco e segundo semestre de retomada.

Ano em que troquei o carro pela bike (abril bati o carro ao sair de casa e cansei do stress do transito e passei a percorrer meus 9 kms de distância entre casa/trabalho e trabalho/academia/casa de bike, ganhei saúde, poupei parte do stress,pois de bike você lida com outros tipos de stress) mas o caminho foi tortuoso.

Um mês após comprar e aderir a bike como meio de transporte a mesma foi furtada na  Smart Fit – Moema (conforme relatado em dois posts), comprei outra em junho que apesar de ter ótimas especificações vive me dando problemas com quebra de raios mas enfim, 120 km´s rodados de bike por semana de junho até agora.

E entre revellion 2015, Carnaval 2015, lesões, furto de bike, troca de academia tive um primeiro semestre pífio com meros 340 kms corridos, média de 56,66 km ao mês.

Segundo semestre, decidido a recuperar meu VO² e fechar o ano com ao menos média de 100km ao mês (1200 ano) foquei nessa meta, acertei na academia e consegui rodar 860,6 kms (85% em esteira e 15% rua apenas) nos 6 meses restantes, média de 143,43 mês e alcancei a meta de 100 km ao mês, bizarro mas 72% do volume foi realizado no segundo semestre de 2015.



Bronca: Nenhuma prova realizada em 2015 porém segundo semestre recheado de Corrida, Pedal e musculação.

Ano em que constatei que a Nike está para abandonar de vez sua plataforma Nike+, que uso desde 2007 e tenho todo meu histórico de corrida la registrado, a mesma já abandonou o Nike+ SportWatch, o Nike+Ipod com sensor e sobrou apenas o app para smartphone e ipod nano e touch, porém o app é ruim para corrida indoor pois ele é a base de movimento, logo tens que deixar próximo ao corpo,carregar peso e usar armband é um saco, já estraguei ipod´s com suor devido a isso.

2016 ? Não deixar a peteca cair mesmo com carnaval chegando e mandar  ao menos uma meia, só não sei qual uma vez que Golden Four foi extinto (veja texto do Harry).

Dica Motivação: Vencer a preguiça, pequenas dores não é algo fácil, algo que me ajudou muito nesse segundo semestre foi o meu quadro branco da sala, minha meta era ter no máximo  4 X´s por mês e um equilíbrio entre C(corrida) e F(ferro), quando pensava em desistir de determinado treino bastava me imaginar  colocando um X e a idéia de ohar aquele X o mês todo era suficiente para eu arrumar força e treinar.

2016 com equilíbrio total entre Corrida, Pedal, Ferro, Boemia e ócio.
Google+