Google+ Endorfinando - Paixão por Esportes: Julho 2013

segunda-feira, julho 15, 2013

Endorfina ? Não.

Muitos não concordarão com a teoria aqui exposta mas ainda assim me sinto na obrigação de postá-la.

Não estou aqui “ desacreditando “ ou negando ( basta uma análise hormonal ou seja lá como isso pode ser feito ) a endorfina, mas a “ alegria “ que muitas marcas esportivas pregam ao meu ver não é da forma como dizem.



De fato a tal endorfina atua durante a atividade física fazendo com que você prossiga e vá além do desconforto físico mas alegar que vem um enorme prazer após a atividade física eu não concordo.

E de fato, quando iniciamos e finalizamos determinada atividade física, seja um treino pesado ou mesmo uma prova, vencemos aquela preguiça e términamos o treino/prova com sucesso vem uma enorme satisfação e até alegria mas não podemos confundir isso com endorfina.

Isso nada mais é do que o alívio da dor e a sensação de missão cumprida, tirando um fardo das costas.

Imagine: o corpo sai da zona de conforto, da homeostase e com ele vem um certo desconforto, ainda mais em treinos fortes ou prova na qual queremos baixar o tempo, começa o debito cardíaco e no final junta tudo isso com dor muscular, levamos nosso corpo ao extremo, me parece óbvio que ao cruzarmos a linha de chegada venha uma enorme sensação de prazer, afinal toda essa dor é aliviada.

É algo mais ou menos como urinar quando estamos deveras apertado, ou em um exemplo mais limpo: “ você foi condenado a uma punição e terá que aguentar 30 minutos de beliscão, com o tempo a dor mesmo meio anestesiada é violenta e assim que termina o beliscão vem um alivio, quase um prazer “ .
Isso posto devemos nos considerar masoquistas de gostar de sentir essa dor para depois sentir um alivio ?
Talvez... Mas isso nos faz vivos e o melhor, nos deixa saudáveis, eu pretendo continuar com isso durante muitas décadas ainda.


sexta-feira, julho 05, 2013

Spinning - Primeira vez

Comecei a fazer musculação com 13 anos , lá em 1996, comecei a correr em 2007, com 25 anos mas nunca em toda minha vida havia feito Spinning ( apesar de gostar de pedalar por aí ).

Pois bem, hoje foi minha primeira vez e confesso que achei muito interessante, por não ter muito o jeito da coisa ainda não consegui tirar o máximo da aula e o meus batimentos não passou dos 160 bpm, no entanto me senti mais cansado que muito corrida na qual a casa dos batimentos ficam entre 165 e 170, era um cansaço muscular.


Neste momento pensei, poxa, faço treinos intervalados, constante e longo e minha perna não fica desse jeito, qual a resposta lógica para isso ? Simples, grupos musculares diferentes.

Este foi um dos motivos que me levaram para esta aula, trabalhar a resistência cardio de formas diferentes e assim obter uma economia maior na corrida, se vai surtir efeito só saberei daqui uns meses mas na pior das hipóteses terei uma perna mais forte e resistente.

Outro fator bacana é a escolha musical para os diferentes ritmos planejados pelo professor e a iluminação especial.

Realizei o treino na BodyTech do Jardins com o excelente professor Marcelo, que além de me ajudar na regulagem da bike me auxiliou na correção da postura e biomecânica da pedalada.

Opinião final : Modalidade mais do que aprovada, pena que não comecei antes.


Google+