Google+ Endorfinando - Paixão por Esportes

quarta-feira, outubro 25, 2017

Empreender = Endorfinar

Faz tempo que não escrevo neste que nada mais é do que um arquivo pessoal de treinamentos, provas e lembranças, afinal, quando tiver meus 120 anos poder revisitar essas páginas virtuais na cia dos meus bisnetos e tataranetos e vislumbrar esses momentos de Endorfina.


Faz tempo que não escrevo justamente pq em 2017 embarquei em um projeto pesado, que consome muito tempo que é o empreender, a ideia inicial era uma lanchonete virtual (que atende via APPs) e que hoje vai abraçar tb a viagem de abertura ao público.


E depois de quase 8 meses nesse barco estava refletindo, o esforço de empreender neste pais, as margens de manobra em meio a tempestade e tantas outras questões reflete bem com o tema deste blog, que é a endorfina, afinal tem que endorfinar muito para se manter motivado e guiando sempre em frente, vencer opiniões que nada agregam, escutar as opiniões sinceras e verdadeiras e sempre olhar as coisas com ótica construtiva.


Ainda preso na Matrix mas com um pouco mais de autonomia da vida dentro da Matrix, fica o convite para em Novembro conhecerem a loja do Theo’s Hot Dog, a única loja cujo dono é um simpático vira-lata administrada por seu tutor 😉








quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Review Cadence Sensor Bontrager

Quando comprei a Riff 50 SR, resolvi colocar o sensor de cadência da Bontrager pois o mesmo custa cerca de 1/3 do valor do Garmin (cujo qual eu tenho em outra bicicleta).


Apenas para situá-los eu utilizo o Garmin Fenix 3 com o suporte para o guidão da bicicleta.
Infelizmente a opção por esse sensor mostrou-se um grande erro, apesar da marca ser ótima e pertencer a Trek ele me frustrou e muito, talvez eu tenha dado azar e pego um sensor com defeito ou talvez a interface dele com o Garmin não seja das melhores, não sei, o que sei é que ele não me atende.

Primeiro não estava conseguindo fazer o Fenix 3 reconhece-lo, troquei a bateria e consegui, no entanto ele oscila durante a pedalada, além de ter uma resposta mais lenta que o meu sensor da Garmin (você começa a pedalar e ele demora a mostrar no relógio o resultado), ele simplesmente para a marcação durante as pedaladas e volta quando "bate a vontade nele".
Enviei um email a Trek que afirmou que provavelmente o meu modelo estava com defeito mas ao ler foruns na internet vi que o modelo vem decepcionando ciclistas em todos cantos do mundo, ainda acho que o problema seja na compatibilidade com o Garmin mas enfim, a lição que ficou disso é que sempre temos que tomar cuidado com opções genéricas e mais baratas :( .

quinta-feira, janeiro 12, 2017

segunda-feira, dezembro 12, 2016

Groove Riff 50 SR 2017 - Primeiras Impressões

Mal peguei a minha nova magrela e já me mandei para o Armazem do Limoeiro (restaurante com estradas de terra entre Itu/Itupeva) para testá-la.


Minha experiência anterior com MTB era o tradicional sistema de 3 coroas e 27 velocidades (Riff 50 2015) equipada com grupo Shimano Alivio, portanto nunca havia pedalado sequer as bikes com 20 velocidades e pulei direto para uma de 11 velocidades.

Antes da experiência em si, a Riff 50 SR 2017 marca a estréia da Groove utilizando componentes Sram e a mesma vem equipada com o grupo NX (grupo de entrada no mundo das 11 velocidades e equivalente ao grupo Shimano SLX).


Pois bem, bike regulada, sapatilha no pé e bora pedal, de primeira pude sentir toda precisão do grupo NX com trocas rápidas e seguras de marcha, sem equívocos de pulo de marcha.
Também senti a perda de velocidade (afinal, não tinha a terceira coroa pra socar no pedal) mas notei a facilidade para subidas (ou menos sofrimento?), isso também se deve a nova geometria que é bem agressiva se comparado a minha Riff anterior.





Por um lado é muito bom não se preocupar com o passador na mão esquerda mas por outro você não consegue uma mudança repentina de velocidade (exemplo, você está em uma marcha leve e muda para a maior coroa no sistema tradicional), natural, tem que ir uma por uma porém não chega a ser um empecilho e sim uma questão de costume, talvez em uma disputa quem tenha mais de uma coroa leve vantagem mas não acho que seja grandes coisas.

Devido a um problema de percurso, rodei apenas 27km mas mesmo com um pouco de barro e muita terra a bike se manteve precisa (óbvio que isso também se deve ao fato de tê-la buscado na loja no dia anterior toda reguladinha), a suspensão Rock Shox XC30 também cumpre bem seu papel.


Resumo: Adorei a Bike, acho que o ponto positivo da questão das 11 velocidades é você não ter que se preocupar com trocador da mão esquerda, consequente pequeno alivio de peso, precisão do cambio Sram NX e um ponto que eu tenho que me acostumar é que não terei mudança brusca na marcha devido ao fato de ter apenas uma correia.

Obs: Realmente o armazém do Limoeiro fechou mas isso não impede de ir ao local, estacionar o carro nos mesmos locais de antes e existe um movimento na cidade de tentativa de reabertura do restaurante, vamos ver...



terça-feira, novembro 29, 2016

quarta-feira, novembro 09, 2016

Pedalando com Sapatilha "Clipless"

Depois de quase um ano pedalando pela uma "Road Bike" sem experiência prévia, resolvi testar "andar clipado"(apesar de que o termo correto não é esse mas isso discutimos depois).

O pedal escolhido foi o: "540 Road Speed Clipless de Encaixe SPD-SL" e a sapatilha : "Giro Treble II".


Aproveitei que tinha que fazer os ajustes no taco e já fiz um bike fit (foi bem demorado, cerca de 3h30) e aproveitei para testar no rolo do bike fit.

Dia seguinte e vamos pedalar, depois de um breve ensaio na garagem do prédio rumei para a ciclovia da marginal pinheiros, na ida tive alguns probleminhas quando depois de tirar o pé do pedal tinha que encaixa-lo novamente mas nada muito alarmante.

Chegando na marginal rumei para o início do percurso e comecei, confesso que curti, não é uma super diferença mas é perceptível o aproveitamento da potência no pedal, principalmente contra o vento, senti alguma insegurança ao pedalar em pé, pois da medo do pé soltar do pedal mas ai é treino.

Na primeira vinda ao trabalho de sapatilha bati meu recorde em um percurso no Strava mas tive dificuldade em encaixar o pé de primeira pós desencaixe.


Aproveitei para testar a camera Garmin Virb XE e Virb Edit:



Consideração sobre pedal e sapatilha: Curti e recomendo para quem busca mais velocidade e potência.

terça-feira, setembro 27, 2016

Linha Groove 2017 / Shimano Fest

Prezados, tive a oportunidade de ir ao Shimano Fest 2017 neste último sabado no Jockey Club de SP e confesso que fiquei maravilhado com o que vi.

O evento parece cada vez mais consolidado, abrindo os primeiros dias apenas para lojistas e os demais para o público geral, segundo a organização o evento contou com mais de 20.000 pessoas em 4 dias.



Muito bem dividido, tinha um corredor para stands de lojas, diversos stands de fabricantes de bikes, acessórios e vestuário e um corredor maravilhoso de foodtruck, fora a pista de short track que teve disputas bem interessantes.

Entre as marcas nacionais achei interessante os lançamentos de road bikes, entre eles até a Groove como uma nova versão da sua Overdrive 2017, que vem equipada com Shimano Claris e com um preço atrativo.

E falando em Groove, vamos ao que mais me surpreendeu, a linha Riff 2017 com uma grande novidade, a Riff 50 vem em duas versões, uma equipada com Shimano e a outra com Sram, apenas uma coroa e uma pintura incrível de linda, já a versão Riff 90 é uma máquina, também com uma coroa porem com XT, vale a pena conferir no site da empresa que logo mais a mesma estará no catálogo.

Pelo que vi e perguntei, a Groove foi a única nacional que realmente inovou e foi atrás de novidades para 2017 e em uma conversa com um funcionário da Shimano, o mesmo me assegurou que a Shimano deu todo apoio e acompanhou de perto os modelos 2017, assegurando assim que das nacionais é a que mais está "voando" e casando componentes.

 Rhythm 70 Carbon (Foto Pedal.com.br)
Riff 50 SR (Foto Pedal.com.br)

Não ganho nada da Groove pra dizer isso mas eu que já admirava a mesma agora estou ainda mais tentado a fazer um upgrade da minha Riff 50 2015 por uma Riff 90 2017...

terça-feira, agosto 30, 2016

Atrio Iron - CicloComputador brasileiro é lançado

Empresa brasileira Atrio lançou a preço acessível seu ciclocomputador com GPS, mensurando distância, velocidade(atual, média e máxima), tempo, data, hora, altitude e temperatura em até três telas.

Possui display monocromático de 30 x 38mm e ainda conta com uma luz de fundo que acende ao anoitecer e apaga ao amanhecer.


Bateria bem resistente, promete resistir 25 horas de uso contínuo, resistente a água e poeira e vem com dois suportes de fixação.


Permite upload para os principais sites/apps de análise como Strava, Wahoo etc fornecendo detalhamento do percurso realizado.

Único ponto negativo é que não tem compatibilidade para nenhum sensor de cinta cardíaca e cadência mas por ser uma alternativa mais em conta (R$ 399,00) do que dos concorrentes me parece justo para o que oferece.

Portanto fica a dica para quem não quer investir muito em um ciclocomputador e não precisa de funções como análise de BPM e cadência.

quarta-feira, agosto 24, 2016

Nike+ Run Club

A Nike atualizou seu app “Running” para o Nike+ Run Club, o que isso significa ?


Bom, sou da velha guarda no Nike+, comecei a usar o mesmo em 2007 e desde então mesmo usando outros gadgets (Garmin,Polar etc) nunca deixei de registrar uma corrida no Nike+, usando principalmente o já rudimentar Nike+Ipod (tempos atrás achei um estoque de sensores na centauro e comprei todos por 20,00 cada), pois como meu histórico de corridas e treinos estava la desde 2007 achei pertinente e bacana manter o mesmo, para fins de comparação, motivação etc.

Nike+Ipod ? Sim, ainda utilizo por motivos básicos:

a) Prefiro controlar distância, velocidade e BPM por relógio, para tanto usava o Polar RC3 e agora uso o Garmin Fenix 3, uma vez que o Nike SportWatch foi descontinuado (e também não me atendia nos quesitos multi deporto)
b) Acho deveras incomodo carregar celular pesado em algum bolso e ainda correr risco de detoná-lo com suor ou mesmo intempéries de chuva.
c) O app limita-se basicamente a corrida, enquanto com um relógio como o Garmin Fenix 3 você pode usá-lo para ciclismo, musculação e outros e ainda ter um resumo completo das suas atividades físicas, até uma simples contagem de passos, testes simples de VO² etc e ainda exporta automaticamente para outros app´s como Strava.

Porém para manter meu histórico ativo e bonito no Nike+ utilizo um rudimentar Ipod Nano com sensor Nike+ (hoje rudimentar, anos atrás uma baita inovação).

Nos últimos anos, acompanhamos uma deterioração do site Nike+ em detrimento do APP, acabaram-se os desafios (que eram muito bons), “paus” constantes na visualização de atividades e gráficos cada vez piores (sim, prefiro a antiga e limitada versão de 2010 do que a versão atual) e eis que chega o novo APP Nike+ Run Club. O que muda ?

O app ganha uma nova interface, início rápido de atividade e as funcionalidades continuam parecidas com relatórios simples das atividades e ranking com seus amigos e o mais importante, seu histórico continua preservado.

Lembra-se do antigo Nike Coach ? O mesmo foi aprimorado e incorporado ao APP, agora você recebe um plano relativamente personalizado e que ajuda bastante quem não pode ou não quer fazer assessoria esportiva e o melhor, adapta-se as suas escolhar, curti bastante esse "treinador".


Confira os detalhes das novas funcionalidades:

- Nike Coach Reformulado com os programas  “Começar”, “Melhorar a Forma Física” ou “Preparar-se para uma Corrida”. Vai perder algum treino ? O novo Nike+ Coach se adapta à sua agenda e às suas necessidades.
- Reformulação das fotos com detalhes e imagens para mostrar seu treino
- Uso de Hashtags para conectar-se com outros membros. Basta usar as hashtags #NRC ou #JUSTDOIT.

Achei bacana e importante a manutenção do nome Nike+, afinal foi um trabalho incrível e revolucionário que a Nike iniciou em 2006.
Por enquanto continua sendo possível exportar atividades via Nike+Ipod mas imagino que isso irá terminar em breve, afinal o sensor foi descontinuado faz um tempo.



Minha avaliação final é que o APP melhorou mas o site está meio abandonado (não é possível visualizar o quanto você correu no ano atual e em anos anteriores por exemplo), porém continua sendo estimulante registrar e manter seu histórico com a Nike.

Google+